quarta-feira, 26 de novembro de 2008

GREEN STAR ... ''Foi uma viagem mágica a Angola''

Eu e a primeira-dama de Cabinda, Angelina Tchiola, ao lado do sacerdote
e das entidades dos Bakanas, um grupo religioso tradicional de Angola.
Assistimos a um ritual na segunda-feira 10


http://i50.photobucket.com/albums/f332/sidclei/istoegente_dez/02.jpg

Era como se todas as mulheres do mundo tivessem se transformado em Naomi Campbell. Assim me senti quando conheci a Céu, ou melhor, Angelina do Céu Tchiola, a primeira-dama de Cabinda, uma das principais cidades de Angola. Ela é essa moça ao meu lado na foto: linda e, de tão alta, eu tinha de olhar para cima para conversarmos. Então comecei a reparar e vi que em todos os lugares de Cabinda havia pelo menos uma mulher linda como Angelina.


Fui apresentada a ela, na quinta-feira 6, quando cheguei à cidade. Estive lá com minha banda durante cinco dias para dois shows na Festa da Juventude, que celebra a independência do país em 11 de novembro. Viajei com minha equipe. O Marcus (Buaiz, marido da cantora e empresário) teve de ficar no Brasil para cuidar dos negócios dele. Não foi minha primeira vez em Angola, já estive na capital, Luanda, para algumas apresentações, mas sem dúvida, esta viagem foi mágica, maravilhosa.


Em especial por conta da segunda-feira 10. Nesse dia, participei de um ritual dos Bakanas, um grupo religioso dos mais tradicionais de Angola, uma cerimônia para desejar boas energias ao país e aos convidados, no caso, Angelina e eu. Era por volta das 6h da tarde quando cheguei à comunidade de Tchizo, em uma área ao ar livre, do tamanho de um campo de futebol. Assim que desci do ônibus, soube que as mulheres raramente participam dos rituais e, quando acontece essa permissão, precisam colocar uma saia feita de samacaca, que é um tecido maravilhoso com cores quentes, algo típico de Angola. Só depois de pronta é que fui apresentada ao Príncipe, o líder religioso que comanda o ritual. Ele foi invocando as 12 entidades, uma por uma. Os homens da comunidade encarnam esses deuses e vestem a máscara e o traje feito de folhas secas. Cada um deles sempre representa a mesma entidade, numa tradição que passa de pai para filho. Mas é algo secreto, ou seja, ninguém fora da família sabe que aquele homem encarna aquele deus. É uma tradição interessantíssima. A cerimônia não acontece em português, mas no dialeto local e, quando invocada pelo Príncipe, a entidade dá um grito e os convidados, numa prece individual, fazem os pedidos. Pedi saúde para mim, para a minha família e também bênçãos para o Brasil e para Angola.

A cerimônia durou mais ou menos quarenta minutos e, quando terminou, já havia um monte de pessoas de Tchizo nos observando. Em especial, as crianças. Elas são umas fofas e logo fui cercada: me deram abraços, pediram autógrafos e achei engraçado porque elas ficavam passando a mão no meu cabelo. Começamos a conversar e vi que vários outros brasileiros são conhecidos por lá. Por exemplo, o MC Créu é um hit na cidade! Todo o mundo sabe a letra e, claro, a dança. As novelas também fazem o maior sucesso. O pessoal segue todas, tanto da Rede Globo quanto da Record, e sabiam das tramas muito mais do que eu, que sou brasileira.

Como nós, brasileiros, o pessoal é muito simpático. José Aníbal Rocha, o governador de Cabinda, quis me hospedar no palácio da cidade. Foi um luxo! O lugar tinha vista para o mar e um jardim com estátuas de animais. Outra maravilha foi observar o pôr-do-sol na praia de Futila. Vejam aí na foto.

Além da simpatia, do gosto pelas novelas e da língua, que é um português com um sotaque muito mais fácil de entender do que o de Portugal, temos outros pontos em comum. Em especial, a culinária. Parece um pouco com os pratos do Nordeste, à base de peixes, só que bem menos condimentados e acho que voltei com uns quilos a mais de tanto comer frutos do mar. E também voltei com uma mala inteira recheada de tecidos maravilhosos que a primeira-dama me deu. Cheguei a São Paulo na quarta-feira 12 e no mesmo dia acionei minha costureira para fazer vestidos, acessórios para cabelo e até uma toalha de mesa. Posso dizer que levei uma parte de Angola para casa nessa minha viagem que foi inesquecível.

http://i50.photobucket.com/albums/f332/sidclei/istoegente_dez/04.jpg

Fonte: IstoÉ Gente